Nossa Tradição

Nascimento da Ordem Cabalística da Rosa-Cruz (Ordre Kabbalistique Rose-Croix) 

 

O visconde Louis-Charles-Édouard de Lapasse, médico e esoterista, foi o animador da primeira Rosa-Cruz em Toulouse por volta de 1850.

Esta tradição regional permitiu o encontro entre a tradição mística e simbólica alemã e as herméticas correntes mediterrânicas. É assim que estas se integraram em sua herança cristã esotérica, as ciências herméticas, alquímicas, astrológicas e teúrgicas.

 

A Rosa-Cruz francesa era independente da Maçonaria. No entanto, muitos de seus iniciados estavam ativos em vários ritos maçônicos com tendências herméticas, cabalísticas e egípcias.

Em 1884, o Marquês Stanislas de Guaita entrou em contato com os irmãos Péladan, que estavam ligados à tradição da Rosa-Cruz da qual falamos. Firmin Boissin era então o Grão-Mestre. É dele que Stanislas de Guaita recebeu a transmissão da corrente hermética dos Rosacruzes, uma grande parte de seu ensinamento e missão. Ele foi encarregado de reunir em uma Ordem, a autêntica iniciação Rosa-Cruz composta de uma formação teórica de qualidade centrada nas ciências tradicionais associadas com cerimônias ritualísticas de alta qualidade e poder. O único aspecto que permaneceu visível depois foi o ensino e os estudos.

Respeitando seus compromissos, foi em 1888 que Stanislas de Guaita, então com 27 anos, fundou a "Ordre Kabbalistique de la Rose-Croix", (O.K.R.C. - Ordem Cabalística da Rosa-Cruz).

Esta data não foi escolhida aleatoriamente. A Fraternidade da Rosa+Cruz de Ouro Alemã originou-se em um ciclo de 111 anos e seu sistema de patentes foi reorganizado em 1777. Seguindo as instruções recebidas, Stanislas de Guaita externalizou a Ordem 111 anos depois.

Entre os membros mais conhecidos da "Ordre Kabbalistique de la Rose-Croix" dessa época, podemos citar: Papus, Paul Adam, Jollivet-Castelot, Marc Haven (Dr. Lalande), Paul Sédir (Yvon Le Loup), Pierre Augustin Chaboseau, Erik Satie, Emma Calve, Camille Flammarion e muitos outros.


 

Desenvolvimento da Ordem

Paradoxalmente, pouco se sabe sobre a Ordem Interna. Como a maioria de seus rituais permanece desconhecida, alguns historiadores algumas vezes duvidam da natureza de sua estrutura iniciática. Mas como poderia ter sido assim, quando conhecemos as personalidades que presidiram seu despertar?

Todos concordam que a Ordem Cabalística da Rosa-Cruz foi a inspiradora secreta das mais famosas correntes ocidentais e iniciáticas ocidentais.

A Ordem manifestou um paradoxo que nos coloca na mais pura tradição esotérica do Ocidente: uma visibilidade cultural e espiritual da Ordem e dos ritos iniciáticos secretos.

Foi neste espírito que a Ordem Cabalística da Rosa-Cruz foi concebida e continuou a ser perpetuada externamente e internamente. De um modo oculto, sua tradição foi mantida pelo Colégio Invisível dos seis irmãos da Ordem e o Patriarca liderando este grupo.

Deste ponto de vista da Ordem Interna, a sucessão ininterrupta sempre foi transmitida conforme a exigência da Ordem Rosa-Cruz original e na região que sempre foi o cadinho do esoterismo Rosa-Cruz: Sudoeste da França. A linhagem interna é clara e inequívoca. Como diz o ditado, sempre se reconhece a árvore pelos seus frutos.

Respeitando o ciclo tradicional de reativação da Ordem, foi em 1999 que a Ordem Interna pôde retomar seu trabalho oculto. Em 2006, ao final de um período de ativação de 7 anos, a Ordem Cabalística da Rosa-Cruz, novamente vivificada pela contribuição esotérica, hermetista, Rosa-Cruz e Martinista, pôde retomar suas atividades, transmitir novamente iniciações e abrir seus capítulos de acordo com os princípios internos da Augusta Fraternidade.

Presente hoje como antes, seu legado preservou o vigor e a riqueza que sempre lhe permitiram adaptar-se à sua época, irradiando a chama de sua iniciação.

Cronologia da Rosa-Cruz

 

Linhagem dos Grandes Mestre, G.P.R.+C.

 

Para saber mais, você pode clicar nos links abaixo.
Você também pode acessar as partes dedicadas aos Grandes Patriarcas.

O visconde Louis-Charles-Édouard de Lapasse, médico e esoterista, foi o animador da primeira Rose-Croix em Toulouse por volta de 1850.

Visconde Louis Charles Edouard de Lapasse
1850

Firmin Boissin, nascido em 17 de dezembro de 1835 em Vernon (Ardèche), onde morreu em 13 de julho de 1893, foi jornalista e escritor católico e regionalista francês. Ele foi Grão-Mestre da Rose-Croix de Toulouse.

Firmin Boissin
1862

O marquês Stanilas de Guaita entra em contato com os irmãos Pélada, Adrien e Joséphin, membros da Rosa-Cruz.

Josephin et Adrien Péladan
1884

Em 1884, o Marquês Stanislas de Guaita entrou em contato com os irmãos Péladan, que estavam ligados à tradição rosacruciana da qual falamos. (Firmin Boissin era então o Grão-Mestre.)

Marquês de Stanislas de Guaita
1888

Stanislas de Guaita, então com 27 anos, fundou a «Ordre Kabbalistique de la Rose-Croix», (O.K.R.C.). Ele se torna o primeiro ilustre Grande Patriarca Rose-Croix, Grão-Mestre.

Marquês de Stanislas de Guaita
1888

2e Grande Patriarca Rosa-Cruz, Mestre da Ordre Kabbalistique de la Rose-Croix.

François Charles Barlet (Albert Faucheux)
1897

3e Grande Patriarca Rosa-Cruz, Mestre da Ordre Kabbalistique de la Rose-Croix.

Papus

4e Grande Patriarca Rosa-Cruz, Mestre da Ordre Kabbalistique de la Rose-Croix.

Charles Detre (Teder)
1916

5e Grande Patriarca Rosa-Cruz, Mestre da Ordre Kabbalistique de la Rose-Croix.

Jean Bricaud
1918

6e Grande Patriarca Rosa-Cruz, Mestre da Ordre Kabbalistique de la Rose-Croix.

L-M F. Giraud
1948

7e Grande Patriarca Rosa-Cruz, Mestre da Ordre Kabbalistique de la Rose-Croix.

Jean Brouillet
1950

8e Grande Patriarca Rosa-Cruz, Mestre da Ordre Kabbalistique de la Rose-Croix.

Patrick T.
1960

9e IGrande Patriarca Rosa-Cruz, Mestre da Ordre Kabbalistique de la Rose-Croix.

(Mais informações: www.debiasi.org

Jean-Louis de Biasi
1986