golden archiconfrerie de Ieschouah.png
A ORIGEM

As práticas espirituais da archiconfrérie remontam aos primeiros cristãos do Egito, os pais do deserto. O que mais tarde foi chamado de Rosa-Cruz do Oriente encontra ali sua verdadeira origem.


Giovanni Pico de la Mirandola (1463-1494), Heinrich Cornelius Agrippa (1486-1535), Pico de la Mirandola, Johannes Reuchlin (1455-1522), Heinrich Khunrath (1560-1605) estão entre os kabbalistas do Renascimento que definiram os aspectos doutrinários da tradição.  


Os místicos cristãos que eram São João Cassiano, o irmão Guigues 2 o cartuxo, ou Santo Inácio de Loyola fazem parte dessa linhagem à qual a archiconfrérie se refere em suas práticas místicas.

Mais recentemente, Papus estabeleceu uma síntese única entre a rosa-cruz, o martinismo que ele inventou e o Mestre Philippe de Lyon que marcou sua existência. Alguns anos mais tarde alguns religiosos, bispos e patriarcas da Igreja Galicana se associaram a essa linhagem. Foi assim que essa sucessão assegurou uma transmissão contínua da autoridade e dos poderes sacerdotais e ocultos ligados a Ieschouah. É ela que está presente na Archiconfrérie de Ieschouah. Não deve ser comparada às criações martinistas mais recentes ou às espiritualidades cristãs que não conhecem as chaves ocultas da kabbala cristã como é o caso da maioria das Ordens neo-templárias.