Teder

(? - 1918)

4º Il. G.P. R+C da O.K.R.C.

Charles Detre, mais conhecido pelo nome "Teder", foi o sucessor do Grande Mestrado da Ordem Martinista após Papus, e foi o predecessor de Jean Bricaud. Ele teve uma forte compreensão do ritual, e atualizou os rituais martinistas desenvolvidos por Papus (em francês). Eram baseados nos materiais que havia herdado por François-Charles Barlet e Edouard Blitz.

 

Teder estava envolvido em vários círculos maçônicos, e foi por intermédio de um contato (Dr Édouard de Ribaucourt) que em 1914 Teder e Papus estabeleceram, ou restabeleceram, uma ligação entre a Ordem Martinista e a linhagem retificada do Rito Escocês/CBCS de Jean-Baptiste Willermoz. Teder também estava envolvido nas seções francesas do Rito de Swedenborg e do Rito de Memphis-Misraim. Algumas de suas linhagens esotéricas iniciais provinham do maçom inglês John Yarker, mas foram reforçadas nos círculos esotéricos na Europa continental.

 

Quando Papus morreu em 1916, ele foi substituído por Charles Detre (Teder), em que o vice grande mestre era Victor Blanchard. Teder considerava que a Ordem Martinista sobreviveria melhor se estivesse ligada a uma organização maçônica e ele escolheu para isso o rito antigo e primitivo de Memphis-Misraim, sendo esse o mais esotérico.

Teder impôs pré-requisitos maçônicos. Por exemplo, um candidato deveria ser Mestre Maçom de Memphis-Misraim antes de poder receber o Primeiro Grau. Deveria ter o 18º grau, antes de receber o 2º grau e o 30º grau do Rito de Memphis-Misraim para receber o terceiro grau do Martinismo.

Entretanto, o próprio Teder morreu em 1918, e foi oferecido o Grande Mestrado a Victor Blanchard que recusou, porque ele considerava que as restrições maçônicas eram um desvio do verdadeiro espírito do Martinismo. 

Jean Bricaud tornou-se então Grande Mestre da Ordem e deslocou o quartel general para Lyon: ela se tornou conhecida pelo nome de Ordem Martinista de Lyon.

 

É interessante constatar que seu cargo na Ordem Kabbalistica da Rosa-Cruz permaneceu contínuo e discreto, o que permitiu à Ordem escapar dos conflitos que os grupos martinistas e maçônicos conheceram.