Irmãos Peladan

Adrien Peladan (1844 - 1885) - Josephin Peladan (1858 - 1918)

Adrien Peladan

 

Biographie chronologique du Docteur Adrien Peladan par le Dr Robert Séror.

Biografia cronológica do Doutor Adrien Peladan pelo Dr Robert Séror.

 

1844 - Nascimento em Nimes, Gard, Fr. em 18 de junho.

  

1869 (25 anos) - Estudos na Faculdade de Medicina de Montpellier.

  

1869 (25 anos) - tese em Lyon: Tratamento homeopático da espermatorréa, da prostatorrea, da hiper secreção das glândulas vulva-vaginais e de diversas formas dessas afecções. Paris, In 8, 98 páginas.

 

1875 (31 anos) - Ele fundou uma revista: A Homeopatia das famílias e dos médicos.

  

1878 (34 anos) - Publicou em Baillière: Tratamento heroico dos cálculos renais por meio de medicamentos específicos (Baillière, 1878).

 

1885 (41 anos) - Morte

 

Eu cito meu amigo, o Dr. Olivier Rabanes:

 …." Sua morte é um episódio trágico da distribuição de medicamentos homeopáticos por um médico: Peladan engole uma trituração de estricnina em 1`° decimal  para testar diante de um doente. Ele morre imediatamente.

 Uma controvérsia se segue com o fabricante: a farmácia W. Schwabe. Essa pode não ter tomado precauções suficientes antes de entregar um tóxico tão poderoso e que obviamente deveria ter sido diluído antes da utilização. "

  

1886 - Publicação póstuma de sua obra: Anatomia homológica. A tripla dualidade do corpo humano e a polaridade dos órgãos esplâncnicos (Baillière, 1886)

Josephin Peladan

O Sar Mérodack Joséphin Peladan, pseudônimo de Joseph-Aimé Peladan (ou Péladan), nascido em Lyon em 28 de março de 1858, morreu em Neuilly-sur-Seine em 27 de junho de 1918, foi um escritor, crítico de arte e ocultista francês.

Biografia

 

Marcellin Desboutin, Sâr Mérodack Joséphin Peladan (1891), museu de belas artes de Angers.

Vindo de uma família de agricultores e comerciantes, Joseph-Aimé Peladan, que se dará mais tarde o nome de Joséphin, é filho de Louis-Adrien Peladan, jornalista em A França literária, fundador de A Semana religiosa e de Joséphine Vaquier. Seu irmão mais velho, Adrien, futuro médico e erudito, o instruiu bem cedo de todos os tipos de conhecimento e, desde a infância, viaja, a Avignon ou a Nimes. Ele manifestou um espírito independente que o levou a ser expulso do liceu por ter tratado um professor de ateu, depois do pequeno seminário de Nimes.

 

Ele entra como funcionário do crédito Faillelle em Paris. Ele viajou a Roma e à Florença onde ficou apaixonado pelo Quattrocento e por Leonardo da Vinci. De volta a Paris, publicou uma novela, O Caminho de Damas, e entra ao Artiste d'Arsène Houssaye, onde redigiu críticas de arte.

 

Em 1884, encontrou Léon Bloy e Paul Bourget e entusiasmou Jules Barbey d'Aurevilly, que escreve o prefácio de seu romance, O Vício Supremo em 1884. Esse livro cheio de romance e ocultismo, que coloca em cena a luta de forças secretas implacáveis em destruir a humanidade, opõe-se resolutamente ao naturalismo de Zola, em que diz « esse Porco-Zola, esse porco que é ao mesmo tempo um asno ». Esse manifesto lhe traz uma celebridade imediata aos 26 anos. Jean Lorrain o apelida « o pelicano branco ». Ele se irritou com Léon Bloy, passou dois dias na prisão por ter negligenciado de regularizar sua situação militar e publicou um grande número de textos incluindo, seu livro mais conhecido, Istar. Ele se dá o título de « Sar » e do nome babilônico « Mérodack ».

 

Péladan, cujo saber era mais brilhante que sólido, foi rápido para escapar das discussões que o colocavam na berlinda. (...) Ele estava então intoxicado pelo sucesso de seu Vício Supremo e pela curiosidade que ele despertou nos salões, onde ele tentava fazer sensação. O título de Mago não lhe era suficiente, ele se promoveu a Sar, o que significa Rei em assírio.

Ele estava perfumado pelos sete perfumes correspondentes aos sete planetas, mas o eucalipto dominava imperiosamente. Uma gola larga de renda sem gravata envolvia seu pescoço, mas mudou o suficiente para receber um grande buquê de violetas; suas luvas de pele cinza tinham bastões malva com reflexos dourados.

Esses nomes e preferências de vestuário - « drapeado em preto queimado em pelo de camelo com filetes com fios de ouro, em velho veludo azul, botas de camurça, e, como Absalon, de cabelos compridos […] a barba ungida com óleo de cedro » - , fazem dele um alvo de caricaturistas e humoristas: ele é apelidado « o Mago de Epinal », o "Sar jantar com óleo", « Platão do Terrail » ou ainda « o Sar pedalante ». Rodolphe Salis ousa o cruel « Artaxerfesse », que lhe vale pena de acusação.

 

Quando ele se apaixona por Wagner, ele foi a Bayreuth vestido com um hábito branco, uma túnica azul céu, um babado de renda e botas de camurça, com um guarda-chuva preso ao lado por um cinto de ombro. Se a viúva de Wagner se recusa a recebê-lo nesse grupo, isso não o impede de publicar as óperas de Wagner em francês com suas anotações « em matéria de terapêutica para desintoxicar a França de seu materialismo ». Sem falsa modéstia ele afirmou: « Eu conquistei, por talentos, talvez de gênio, o direito de meu pensamento pleno, inteiro, e diante de todos. Eu tenho seis mil noites que amaram dignamente a língua francesa; eu posso dizer tudo em francês. Eu sou um governante sem sujeição. »

Martinismo

Em 1887 ele fundou com Papus, que provavelmente o iniciou, e Stanislas de Guaita a primeira loja martinista em Paris, na rua Pigalle.

A ordem e os Salões da Rosa-Cruz

Foi com seu irmão Adrien (1844-1885), um dos primeiros homeopatas franceses, que Joséphin Peladan deve sua entrada no ramo de Toulouse da Rosa-Cruz.

 

Em 1888, Peladan fundou com Stanislas de Guaita a Ordem Kabbalistica da Rosa-Cruz que também acolhe Papus e Charles Barlet. Citando uma recusa da magia operativa, se separou do grupo em 1891 para fundar a ordem da Rsa-Cruz católica e estética do Templo e do Graal. Ele compôs a fómula « Ad Rosam per Crucem ad Crucem per Rosam, in ea in eis gemmatus resurgam - Non nobis non nobis Domine, sed nominis tui gloria soli, Amen » (que incorpora uma divisa templária adicionando uma nota rosacruz (Como se tornar mago (1892). Essa fórmula será retomada mais tarde por outros movimentos rosacruzes.

 

No ano seguinte, ele organizou o primeiro dos Salões da Rosa-Cruz, de 10 de março a 10 de abril, na galeria Durand-Ruel : « Naquele dia, o ideal teve seu templo e seus cavaleiros, e nós, Macabeus do Belo, fomos levar a Notre-Dame, aos pés de nosso senhor Jesus Cristo, a homenagem do templo e os Rosa-Cruz se ajoelhando. »[ref. necessária] Foi um grande sucesso. Sessenta artistas participaram, além de vários pintores e escultores de talento (Ferdinand Hodler, Fernand Khnopff, Jean Delville, Carlos Schwabe, Antoine Bourdelle). Vinte mil parisienses e todo o Paris mundano e artístico, Stéphane Mallarmé, Émile Zola, Paul Verlaine, Gustave Moreau, vieram visitar, ao som do prelúdio de Parsifal e os sons de trompete compostos por Erik Satie. Vários salões da Rosa-Cruz seguiram de 1892 a 1897. Se muitos alunos de Gustave Moreau como Georges Rouault ou os que se tornarão Nabis participaram, alguns artistas como Edward Burne-Jones, Pierre Puvis de Chavannes ou Gustave Moreau recusaram o convite.

 

Esses salões permanecem um dos maiores eventos da última década do século XIX, eles figuram a renovação do idealismo e testemunho de uma tendência para o espiritual que animou os grandes movimentos da arte do começo do século XX.

  

Peladan ambicionava extirpar a feiura do mundo moderno, se opondo assim ao materialismo ambiente; como tal, ele foi um porta-voz do movimento simbolista. Ele redigiu vários manifestos que testemunham uma grande cultura artística e uma notável Refutação estética de Taine que acompanha sua obra principal, a Arte idealista e mística (Paris, 1894). Advogando uma sacralização da arte e da vida, Peladan opta deliberadamente por uma transferência do religioso para a arte, na mais pura tradição de Baudelaire. Seu tom, os símbolos escolhidos para a Rosa-Cruz, não pertencem realmente a um esoterismo que foi frequentemente caricaturado, mas mostram uma vontade de se opor ao trivial e inauguram uma prática « publicitária » que os vanguardistas exploraram abundantemente na sequência. Se Peladan utilizou um tom frequentemente polêmico ou lírico, revelador de seu caráter apaixonado, é ao serviço de convicções sinceras e de uma defesa da grandeza da arte que ele considerava prostituída sob uma Terceira República frequentemente mercantilista.