Jean Bricaud

(1881 - 1934)

5º Il. G.P. R+C da O.K.R.C.

Jean Bricaud veio de uma família de camponeses, e entrou para o pequeno seminário de Meximieux. Durante sua adolescência, descobriu livros de ocultismo, o que o conduziu a recusar prosseguir seus estudos no seminário maior. Então se fixou em Lyon e entrou para o Crédito de Lyon (em 1897), sociedade na qual trabalhou toda sua vida. Ele foi mobilizado durante a primeira guerra mundial. Casou-se com Marie-Anne Neysson (1884-1958) em 7 de outubro de 1905, de que se divorciou (1911), para se casar com (2 de dezembro de 1929) Eugénie-Antoinette Allemand (1884-1958), que o apoiou e o ajudou em sua carreira ocultista.

 

Em Lyon, ele encontrou vários ocultistas: Auguste Vandekerkhove, alias S.U. Zanne (1838-1923), Gervais-Annet Bouchet (1863-1927), alias Elie Alta, ou Elie Steel, que o apresentou ao Dr Emmanuel Lalande (1868-1926), íntimo de Gérard Encausse, que o apresentou a seu padrasto Nizier Anthelme Philippe (1849-1905) taumaturgo conhecido pelo nome de "Mestre Philippe". Este dirigia em Lyon a Escola prática de magnetismo na qual Bricaud se inscreveu em 6 de dezembro de 1897. Ele escreveu uma brochura ao Mestre Philippe (en 1927). Segue outros associados de Lyon: o filósofo Pierre-Camille Revel (1853-1932), o magnetizador espírita Alphonse Bouvier (1851-1931), e Jacques Charrot (1831-1911), aluno de Eliphas Lévi, que se tornou seu mestre de kabbala e magia.

 

Em 1901, Léonce Fabre des Essarts (1848-1917) consagrou Bricaud bispo de Lyon, sob o nome de "Tau Johannes", na Igreja Gnóstica da França (ou Igreja Gnóstica Valentiniana) fundada por Jules Doinel em 1890.

 

Em 1907, Bricaud rompeu com Fabre des Essarts para fundar seu próprio ramo da Igreja gnóstica. Bricaud, Fugairon e Encausse, em uma primeira tentativa, nomearam seu ramo da Igreja: Igreja católica gnóstica. Depois de 1907, para distinguir claramente os dois ramos da Igreja gnóstica, a de Fabre des Essarts ficou conhecida pelo nome de « Igreja gnóstica da França ». Em fevereiro de 1908, o sínodo episcopal da Igreja católica gnóstica se reuniu e elegeu Bricaud como Patriarca sob o nome de "Jean II". Em 1908 a Igreja católica gnóstica viu seu nome mudar para Igreja gnóstica universal. Em 1911, Papus fez dessa Igreja a oficial do Martinismo. Em 1960, Robert Ambelain mudou o nome de « Igreja gnóstica universal » para « Igreja gnóstica apostólica ».

 

Jean Bricaud também se tornou maçom do Rito de Memphis-Misraïm. Ele foi, por um tempo, o discípulo do Mestre Philippe de Lyon. Foi ordenado sacerdote em 25 de julho de 1912 pelo Monsenhor Louis-Marie Giraud, bispo daIgreja Galicana, e obteve, em 21 de julho de 1913, a "consagração episcopal" do mesmo bispo, na mina de Saint-Amand, perto de Ambert (Puy-de-Dôme). Portanto, a renovação gnóstica diz ser de uma "sucessão apostólica", de acordo com um modo corrente em certos meios ocultistas da época: mas, evidentemente a Igreja galicana não era a de Roma (e estava pelo menos parcialmente ligada ao movimento teosofista), a validade dessa « sucessão apostólica » era considerada como ilícita aos olhar do catolicismo romano (códigos de direitos canônicos 1331, § 1, 2 ; cf. CIC 1917, C. 2261, § 1).

 

Bricaud era intimamente ligado aos ocultistas que gravitaram em torno de Vintras: ele possuía em particular um exemplar das possédait en particulier un exemplaire des "hóstias sangrentas" transmitidas ao satanista excomungado (e ex-abade) Joseph-Antoine Boullan e tinha redigido um opúsculo de feitiçaria chamado Método prático para íncubo e súcubo. Esse meio teve uma influência sobre o movimento "tradicionalista" do começo do século XX (Barrès,Léon Bloy etc.), o qual foi fortemente influenciado pelo assim chamado "segredo de La Salette".

 

Em 1914, Jean Bricaud retoma, em Lyon, e seguindo Teder (Charles Détré), o movimento martinista com base nos acordos de 1911, e as regras de recrutamento de Willermoz. Jean Bricaud foi nomeado legado da Ordem Martinista para a província de Lyon. Ele também se tornou Grande Mestre de Memphis, patriarca da Igreja gnóstica universal, e presidente da sociedade ocultista internacional. Ele designou Constant Chevillon como seu sucessor martinista em setembro de 1932.

 

Jean Bricaud morreu em 21 de fevereiro de 1934. Foi enterrado em 24 de fevereiro em Francheville, perto de Lyon. Foi na residência da esposa de Jean Bricaud, em 1944, que Constant Chevillon foi preso e depois assassinado pela milícia, de modo que permaneceu enigmático.

 

Seu sucessor direto no episcopado foi Victor Blanchard, "Targelius", consagrado em 5 de maio de 1918 segundo o "pontificado velho-católico".

 

Bibliografia >