Papus

(1865 - 1916)

3º Il. G.P. R+C da O.K.R.C.

Gérard Anaclet Vincent Encausse, chamado Papus (13 julho de 1865 em La Corogne - 25 de outubro de 1916 em Paris), foi um médico e ocultista francês,

 

Biografia

Nascido em 13 de julho de 1865, na Espanha, em La Corogne, de um pai francês e mãe espanhola, Gérard Encausse passou sua juventude em Paris, onde recebeu doutorado em medicina em julho de 1894. Antes mesmo de terminar seus estudos, por volta de 1886, ele se deu a tarefa de lutar contra o cientificismo da época difundindo uma doutrina que sintetizava diversos aspectos do esoterismo ocidental da época, representado pelo químico Louis Lucas, o matemático Wronski, o alquimista Cyliani, o pitagórico Lacuria, o magnetizador Hector Durville, Antoine Fabre d'Olivet, Alexandre Saint-Yves d'Alveydre. Encausse se fez chamar de Papus de acordo com o nome de um espírito do Nuctemeron, atribuído a Apolônio de Tiana. O pensamento de Louis-Claude de Saint-Martin deixou sobre ele uma marca profunda a partir de aproximadamente 1889, pouco depois de sua ruptura (1890) com a Sociedade Teosófica de Mme Blavatsky.

 

Ordens diversas

Ele fundou com Augustin Chaboseau em 1891 a Ordem Martinista, que deve seu nome à memória de Louis-Claude de Saint-Martin e à de J. Martinès de Pasqually. Ele recrutou membros em numerosos países, especialmente a Rússia. Na revista oficial da Ordem, A Iniciação, que Papus fundou em 1888, encontramos os nomes de Stanislas de Guaita, Peladan, Charles Barlet, Matgioi, Marc Haven, Paul Sédir, Albert de Rochas d'Aiglun, Lucien Chamuel, Fernand Rozier. Mas durante muito tempo, os nomes de Martines de Pasqually, Saint-Martin, ou Willermoz foram muito menos citados que os de Fabre d’Olivet e de Eliphas Lévi. Paul Adam, Maurice Barrès, Victor-Émile Michelet, Péladan, Camille Flammarion, Emma Calvé, Albert de Rochas estão entre os primeiros martinistas de renome.

 

Papus se afiliou, durante sua vida, a várias organizações iniciáticas, à Sociedade Teosófica de Helena Blavatsky en 1887, à Ordem Kabbalistica da Rosa-Cruz de Peladan e Guaita em 1888, à Igreja gnóstica da França de Jules Doinel em 1892, a Hermetic Order of the Golden Dawn em 1895, à franco maçonaria do Rito de Swedenborg (1901), em que foi o Grande Mestre, ao Rito de Memphis-Misraïm em 1908, à Ordo Templi Orientis. Ele entrou frequentemente em conflito com os proponentes das lojas maçônicas chamadas « regulares » e em 24 de junho de 1908, organizou em Paris uma conferência internacional maçônica na qual participaram representações de obediências maçônicas « de margem ».

 

Por outro lado Papus constituiu, em dezembro de 1889, um grupo que organizava pesquisas, cursos e conferências sobre os diversos aspectos do esoterismo ocidental, o Grupo Independente de Estudos Esotéricos (GIEE) que se tornou o círculo externo da Ordem Martinista, e tomou o nome de Faculdade Livre de Ciências Herméticas em março de 1897. Os cursos eram numerosos (aproximadamente doze por mês), e os assuntos estudados tratavam de Kabbala, Alquimia, tarô divinatório, passando pela história da filosofia hermética. Papus, Sédir, Victor-Émile Michelet, Fernand Rozier e A. Chaboseau, entre outros, eram os professores. A seção de Alquimia, dirigida por François Jollivet-Castelot, foi a origem da Sociedade Alquímica da França.

 

Esse vasto movimento hermético, do qual Papus era uma das almas atuantes, nutriu a literatura e as artes da época, Peladan, Catulle Mendès, Paul Adam, Villiers de l’Isle-Adam, deram alguns textos aos primeiros números de A Iniciação. August Strindberg, durante sua estada em Paris, também participou, mas mais para compartilhar suas experiências de alquimia. As obras de Papus também marcaram os jovens pintores ditos Nabis. Com Stanislas de Guaita, Papus se envolveu no caso Boullan, que os opôs a Jules Bois et a J.-K. Huysmans, em 1893.

 

 

Doutor Encausse

Papus seguiu em seu trabalho de médico, um caminho igualmente original, utilizando especialmente a homeopatia, dosimetria, eletroterapia. Ele criou, com seu pai químico, rua Rodier no 9º distrito de Paris, um instituto de saúde, especializado em banhos, fumigações e massagens, e também abriu um gabinete de consultas médicas, na rua Balzac, em Tours que lhe atraiu uma numerosa clientela. Ele residiu em Paris, em diferentes endereços da Villa Montmorency, e, no final de sua vida, na Rua de Rochechouart, 67 no 9º distrito.

 

Papus morreu em 25 de outubro de 1916, em Paris, como resultado de seu serviço de oficial médico do exército na frente do Leste durante o outono e inverno de 1914. Foi enterrado no cemitério Père-Lachaise, na (divisão 93)

Bibliografia >