Firmin Boissin

(1835 - 1893)

Firmin Boissin nasceu em Vernon perto de Joyeuse, em Ardèche, em17 de dezembro de 1835.

 

Depois da escola primária, ele fez seus estudos secundários no pequeno seminário de Aubenas e no seminário de Viviers. Ele obteve uma licenciatura em letras na universidade de Montpellier, ensinou gramática em Cavaillon e em Avignon, depois passou algum tempo na Espanha onde ganhava a vida como escrivão público.

 

Escrivão e Jornalista

Ele foi a Paris. Em seguida ele é empregado na biblioteca do Arsenal (que tinha então como conservador administrador Paul-Mathieu Laurent ou "Laurent de l'Ardèche") onde escreveu artigos em revistas e jornais e onde publicou suas primeiras obras sob o pseudônimo de Simon Brugal (patronímico de sua avó materna).

 

Em 1869, com 34 anos, ele escreveu no "Courrier de Rouen" e em 1871 se tornou redator do "Messager de Toulouse". Embora a maior parte de sua carreira se passou em Toulouse, ele permaneceu ligado a sua região natal, Vivarais, sobre a qual escreveu vários romances históricos, em que o mais conhecido é Jan de la Lune, romance histórico evocando a contrarrevolução em Vivarais, publicado em 1877. A história se desenrola em parte na floresta de Paiolive e colocou em cena lugares bem reais e conhecidos de todos: A Gleyzasse, Cornillon, Saint-Eugène, etc. Mas a escrita romanesca lhe conferiu uma força dramática que se estendeu em descrições fazendo apelo ao imaginário. Lugar de retirada e esconderijo temporário para os contrarrevolucionários de Jales, fiéis ao conde de Saillans. Cavernas e abrigos trogloditas serviram frequentemente de abrigo às populações perseguidas, a gangues armadas e clandestinos: 

 

" A Gleyzasse é uma gruta longa de duzentos pés, larga de trinta, e alta de sessenta, cujas partes superiores se juntam em ogiva e formam abóbada, o que lhe dá o aspecto de uma nave de igreja e ganhou seu nome. Essa nave tem duas aberturas:  uma mergulha em balanço sobre o Chassezac; a outra leva a um caminho escavado no calcário... "

 

Também teve uma carreira de crítico literário.

 

Em 1887, ele foi eleito Mantenedor da Academia dos Jogos Florais de Toulouse (sociedade literária fundada em Toulouse na Idade Média, sem dúvida a mais antiga do mundo ocidental).

 

Ele também foi membro da Ordem da Rosa-Cruz. Prior de Toulouse e Comendador da Ordem, recebeu em suas fileiras em 1858 Adrien Péladan, médico homeopata e irmão de Joséphin Péladan.

 

Frédéric Boissin manteve uma farta correspondência com sua prima, Camille Vielfaure que foi deputada de Ardeche (1881-1889).

 

Ferido com uma doença ocular, Firmin Boissin se retirou em Ardeche onde morreu em 1893 com a idade de 58 anos.

 

Bibliografia

1867: Opinião de um católico sobre as ideias de Madame Aubray, Paris

1868: Nossos pregadores (Retratos e silhuetas), Paris,

1868: Estudos artísticos: Salão de 1868

1869: Os presentes do ponto de vista simbólico, Orleans

1869: Visionários e iluminados

1875: Repouso da Britânica Paris, Paul Daffin, Libraire-Éditeur, Rue Guénégaud.

1868: A obra de um crente livre, Paris & Toulouse.

1878: O Vivarais e o Herdeiro nos Jogos Florais de Toulouse.

1879: Frédéric Mistral e os Félibres

1883: A Jacquerie no Vivarais de 1789 a 1793 (Simon Brugal)

1883: Um episódio da Revolução no Bas-Vivarais

1885: Os campos de Jalès

1887: Jan de la Lune

1888: O camponês na literatura contemporânea

1889: A Cisão constitucional no Ardèche. Lafont-Savine, bispo jurado de Viviers (Simon Brugal)

1890: Excêntricos Desaparecidos